EMBAIXADA DA REPÚBLICA DA ÁFRICA DO SUL
CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DA ÁFRICA DO SUL

Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Imagem Turismo
Foto Logotipo SA Foto Logotipo SA


ÁFRICA DO SUL: UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA

Quando as eleições de 1994 foram realizadas, nascia, naquele momento, uma nova África do Sul.  Nelson Mandela, líder negro sul-africano que ficou preso por 27 anos ficou devido ao ideal de acabar com o apartheid, venceu a eleição.  Três séculos de soberania dos brancos sobre a maoria negra da população finalmente chegavam ao fim.

Esse novo começo para o país chamado de “Rainbow Nation” - ou, como diz o Arcebispo Desmond Tutu, primeiro arcebispo negro sul-africano,  “Rainbow Children of God” - significava, pela primeira vez, que todas as pessoas da África do Sul, independentemente da cor, credo ou sexo, eram iguais.  Em 1997, uma constituição inédita garantiu ao povo esses direitos.

Os 300 anos de história sul-africana que precederam essa dramática reviravolta em direção à liberdade e à democracia explicam como tudo deu tão errado em um período de tempo tão longo.  Colonizadores europeus brancos de três países lutaram entre si pelo direito de controlar um território vasto que, na opinião de cada um, pertencia a eles.  Na mesma época, tribos negras fizeram o mesmo.  E os colonizadores ainda travaram batalhas com as tribos que atravessam seu caminho.  Foi nessa época que minas de ouro e diamante foram descobertas.  Os negros foram trabalhar nas minas, enquanto os brancos ficavam mais ricos.

Para que a história não pareça confusa, é necessário que se fale sobre o papel social e político da África do Sul na História Antiga do mundo.

Antropologia

O que se sabe sobre o habitante mais antigo do território que mais tarde seria chamado de África do Sul vem de teorias de antropólogos, que o chamam de hominídeo, precursor de espécies mais evoluídas como o homo habilus, homo erectus e homo sapiens.  Em 1947, fósseis de hominídeos de três milhões de anos de idade foram descobertos nas cavernas Sterkenfontein Caves, perto de Krugersdorf, a oeste de Joanesburgo.

O homem moderno apareceu no cenário há três mil anos.  O povo africano Khoisan, que vivia na região norte de Botsuana, abriu mão da caça para criar gado, atividade que os outros africanos já estavam aprendendo.  Eles chamavam a si mesmos de Khoikhoi, o significa homens dos homens, e se referiam aos que permaneceram caçadores como San.  Não havia fronteiras naquela época e os dois grupos, Khoikhoi e San, povoaram as terras.

Colonização da Região do Cabo

Em 1652, quando a Companhia das Índias holandesa se instalou permanentemente na Cidade do Cabo, a colonização não estava em primeiro plano.  O navegador português Bartolomeu Dias tinha dado a volta na região do Cabo e chegado a Mossel Bay em 1488, enquanto outro explorador português, Vasco da Gama, tinha descoberto a rota para a Índia, passando pelo Cabo, em 1497.  Como a Cidade do Cabo era um porto conveniente para quem vinha e ia para o ocidente, os holandeses enviaram o comandante Jan van Riebeeck para o local, onde ele se desentendeu com os Khoikhois (chamados de Hottentots pelos holandeses).  Ele declarou guerra ao povo Khoikhoi e aprisionou seus líderes em Robben Island, dando início ao período histórico de colonização.  Mais tarde, van Riebeeck estabeleceu que os brancos eram os colonizadores, criando uma colônia de escravos, cuja maioria era de indonésios.

Os primeiros colonizadores brancos levavam suas vidas em pequenas fazendas na Cidade do Cabo, onde se alimentavam de carne e bebiam vinho.  As colônias se espalharam pelas montanhas e chegaram rapidamente aos pastos secos do interior.  Com isso, aconteceu uma mudança relacionada à percepção que cada grupo tinha de si mesmo: os colonizadores decidiram se diferenciar de seus irmãos da Holanda e se autodenominaram Boers (palavra que significa fazendeiros) ou Afrikaaners (africanos).  As mortes começaram a acontecer quandos os “novos” colonizadores decidiram tomar o que bem entendessem, matando os adultos dos grupos Khoikhoi e fazendo de seus filhos serventes domésticos.

Em 1688, os Hughenots, um grupo de 220 protestantes franceses que tentavam escapar da perseguição religiosa, chegaram ao território e introduziram os conhecimentos para o cultivo da uva.

A chegada dos Britânicos

Quando os holandeses fecharam a Companhia das Índias em 1795, as forças inglesas tomaram o controle da região do Cabo.  Os britânicos devolveram o poder aos holandeses no breve período de 1803 a 1806, mas depois resolveram tomá-lo novamente.  Uma das primeiras iniciativas do governo foi atacar o povo Xhosa, que estava enraizado dentro das áreas dos colonizadores brancos.

Quando o coronel britânico John Graham seguiu as instruções de incitar “um grau apropriado de terror” no povoado Xhosa e expulsá-lo de lá, ele foi homenageado em 1812 com uma nova cidade, chamada de Grahamstown.

As Guerras do Século 19: Luta pelo Poder

Em 1819, para colocar seu selo na região, os britânicos enviaram 4 mil colonizadores, concedendo a eles terras conhecidas como Zuurveld, às margens do rio Great Fish.  A vida era cruel e sem perspectivas.  Para piorar a situação, eles tiveram que pagar impostos por seus privilégios, o que causou ressentimento em relação ao regime britânico na Cidade do Cabo - o que já havia acontecido com os Boers.

Os britânicos estavam mais interessados em desafiar o estilo de vida dos Boers.  Uma série de ordens foi dada para destruí-los.  O Decreto 50 de 1828 aboliu o trabalho forçado e a diferença de cor em relação às leis, abrindo o caminho para a abolição da escravidão em 1834.

Os Boers, como resposta, resolveram partir para as terras além do rio Orange, que ainda estavam fora do controle britânico.  Esse êxodo em massa ficou conhecido como o Great Trek. 

Enquanto isso, outro tipo de revolução estava acontecendo ao norte do rio Thukela, na área que hoje representa a província de KwaZulu-Natal: a tomada do poder pelo exército do reino de Zulu.  O reinado de Shaka Zulu (de 1818 a 1828) foi marcado pelas manias do déspota que até hoje intriga os historiadores.  Em 1828, Shaka foi assassinado por seu irmão Dingaan, que na época negociava terras com Piet Retief,  líder dos imigrantes Boers, também chamados de Voortrekkers.   Dingaan ordenou o assassinato de Retief.

A Batalha de Blood River

Os Boers uniram suas forças sob o comando de Andrius Pretorius, que mais tarde originou o nome da capital da África do Sul.  Os Zulus foram vencidos na Batalha de Blood River, uma questão que até hoje toca o orgulho nacionalista dos Afrikaaners.   Na década de 1930, os historiadores Afrikaaners reinterpretaram a batalha como um sinal divino de que os descendentes dos Voortrekkers eram pessoas enviadas por Deus que deveriam dominar a África do Sul.

Nessa mesma época, outra guerra foi travada entre os britânicos e os Xhosas, dessa vez na divisa leste do país.  O conflito foi tão longo que ficou conhecido como a Guerra dos Cem Anos.  Quatro guerras em fronteiras estouraram entre 1819 e 1853, tirando milhares de vidas e deixando a tribo Xhosa arrasada por muitas gerações.

Na colônia britânica de Natal, a segregação racial foi imposta e “reservas nativas” foram estabelecidas, na mesma época em que plantações enormes de cana-de-açúcar foram feitas.  A solução para mão-de-obra foi transformar os indianos em escravos, adicionando mais um grupo étnico à turbulenta mistura que já existia na região.

Em 1867, a África do Sul ainda não era considerada uma nação.  Quatro colônias regidas por brancos e vários reinos de negros co-existiam.  O poder britânico era dominante, mas muitas colônias grandes conseguiram achar suas fontes de poder.

A Descoberta do Ouro e do Diamante

Dizem que em 1866, o jovem Erasmus Jacobs estava brincando na fazenda de seu pai, perto de Hopetown, quando achou uma linda pedra.  Um vizinho quis comprá-la, mas a família não achou que a pedra tivesse valor e acabou dando-a, em vez de vendê-la.  A linda pedra de Erasmus era o diamante “Eureka”, de 21,25 quilates, que causou a corrida do diamante em Kimberley.  Três anos depois, o mesmo vizinho teve sorte novamente, mas dessa vez ele achou uma pedra maior, com 83,5 quilates, que mais tarde foi chamada de “Estrela da África do Sul”.

Os diamantes foram encontrados em fazendas da região.  O processo de escavação deu origem ao Kimberly Big Hole.  Mais de 50 mil pessoas vieram do mundo todo em busca da preciosidade.  As condições de vida eram horríveis, mas toda vez que a área parecia estéril, alguém encontrava outra mina vulcânica cheia de diamantes.

A propriedade dos diamantes foi motivo de brigas litigiosas.  Conhecidas como Grigualand West, as minas foram reivindicadas pelo povo Khoina, que há 70 anos habitava o local.  Como as minas estavam nas fronteiras, os governos do estado de Orange Free, da República Sul-Africana e de Cape Colony também queriam uma parte da riqueza.  Quando os britânicos chegaram em 1880 e simplesmente anexaram a área, todos discordaram.

Kimberley, considerada o centro da indústria de diamantes, foi dominada por nomes como Cecil Rhodes, Charles Rudd e Barney Barnato, que juntos trabalharam para criar um poderoso cartel, que mais tarde foi consolidado e deu origem à De Beers Consolidated Mines.  Hoje, sob o comando do grupo Oppenheimers, a De Beers domina o mercado mundial de diamantes.

Ouro nas Colinas

A corrida do ouro começou em 1886, quando George Harrison descobriu a camada Main Reef, em Witatersrand.  As fazendas das redondezas foram declaradas propriedade pública e uma nova cidade, Johanesburgo, foi criada na região.

Nessa época, o norte tinha assumido o controle da África do Sul, e várias guerras marcaram a luta pelo poder.  Em 1979, os Zulus derrubaram as forças britânicas em Isandiwana.  Os britânicos, para reagir, derrotaram os Zulus em Ulundi, que hoje é chamada de KwaZulu-Natal.

Quando o Transvaal teve sua república proclamada, estourou a guerra Anglo-Boer, de 1880 a 1881.  A segunda guerra Anglo-Boer, que resultou na derrota dos Boers, aconteceu entre 1899 e 1902.

O Século 20

O território sul-africano foi completamente dominado e os Boers e os britânicos conseguiram se conciliar.  Em 1910, A União da África do Sul foi proclamada.  Durante o século 20, os Afrikaaners voltaram a dominar o país por um curto período, mas a história registra uma impressionante dificuldade político-social vivenciada pelos negros.

Os brancos começaram a se preocupar quando se depararam com a mudança demográfica dos negros: de pequena minoria nos centros urbanos na época da União, os negros passaram a ser maioria em todas as cidades principais por 40 anos.  Os negros foram completamente privados dos seus direitos quando foram expulsos dos sindicatos políticos e comerciais.  As leis chamadas de Pass Laws controlavam seu movimento, garantindo que os negros não saíssem das fazendas dos brancos.  Graças ao conjunto de leis Land Acts, de 1913 e 1936, a maioria dos negros, que continuou vivendo em tribos, também foi proibida de comprar terras fora das reservas.

As eleições de 1943 e 1948 colocaram o Partido Nacional, composto de brancos, no poder.  O partido controlou o país até as eleições de 1994.

Um Novo Mundo

Com as eleições de 1948, Hendrick Verwoerd e D.F. Malan criaram um mundo novo: o apartheid, ou “separação”.  Esta posição política nacional trouxe muitas leis novas.  Os negros foram forçados a se sentar em bancos públicos separados, usar entradas de prédios diferentes e ter seus próprios banheiros públicos.  No ano seguinte, o decreto Mixed Marriages Act proibiu casamentos entre negros e brancos.

O decreto mais cruel de todos foi o Popular Registration Act, de 1950, que exigia registros de acordo com as classificações raciais.  Os negros eram obrigados a carregar um passe permanentemente, impedindo-os de entrar nas cidades.  Mais adiante, um grande número de negros foi enviado a áreas chamadas de townships - áreas de segregação racial e grande pobreza, que quanto mais longe dos olhos dos brancos, melhor.

Por 30 anos, o Partido Nacional batalhou para manter o sistema de apartheid, que pregava a censura aos meios de comunicação e a falta de liberdade de expressão.  O índice de violência estava aumentando, bem como o número de protestos no país.  A África do Sul se transformou em assunto de discussão internacional.

A Resistência Aumenta

A resistência contra o apartheid culminou nos anos 70, quando Steve Biko, um líder popular do Movimento da Consciência Negra, fez um discurso para estudantes negros e brancos, com a intenção de aumentar o orgulho negro e divulgar o movimento.  Biko foi espancado até a morte em uma cela de prisão, mas deixou um legado muito maior do que esperava.

Outro momento horrível da história sul-africana aconteceu em 1976, quando crianças de um colégio em Soweto foram às ruas para protestar contra a imposição de que Afrikaans fosse seu idioma oficial.  Centenas de crianças foram mortas por policiais que atiraram, e mais de 600 negros morreram por protestarem contra a chacina.

Nelson Mandela, que na época já estava há nove anos na prisão, tornou-se um herói do movimento, e o Arcebispo Desmond Tutu trabalhou incessantemente por uma solução pacífica.  Nos anos 80, violência nas townships já havia se tornado comum.  Em 1986, sanções internacionais foram impostas, causando grandes dificuldades econômicas ao país.

A estrada para a liberdade foi finalmente aberta em 1990, quando o presidente F.W. de Klerk fez um discurso significativo diante do parlamento, onde repudiou o apartheid e revogou leis que protegiam a discriminação racial.

O sinal mais simbólico de mudança permanente veio com a libertação de Nelson Mandela, em 1990.  Mandela trabalhou com o presidente para mudar a cara do governo sul-africano.  Em 1994, o Arcebispo Desmond Tutu liderou o processo de “Verdade e Reconciliação” , ajudando a fechar antigas feridas.  No mesmo ano, foram realizadas as eleições diretas, um movimento emocionante que gerou quilômetros de filas de pessoas que queriam fazer a diferença.  Nelson Mandela foi eleito, e após sua aposentadoria em 1999, seu vice-presidente, Thabo Mbeki,  foi eleito para seguir os seus passos.

Atualmente, o governo se dedica a mudanças para que as necessidades do povo sejam atendidas.  Uma classe média de negros emergente e a dedicação da maioria para consertar os erros do passado são a esperança de que o curso da África do Sul mude para sempre.  Habitação, sistemas de saúde e desenvolvimento econômico são prioridades do governo, trazendo a África do Sul para o novo milênio.

Copyright 2017 África do Sul